sexta-feira, 31 de outubro de 2014

INDIVIDUALIDADE E CONJUGALIDADE: O NÓS DOIS E O EU E ELE...




Num casamento, há os NÓS DOIS e há o EU e ELE (o cônjuge). O "NÓS DOIS" se refere aquilo que há em comum ao casal, à conjugalidade. Mas há muita gente esquecendo que também há o EU e ELE. Quando as pessoas se casam, embora se tornem uma só carne, elas não deixam de ser INDIVÍDUOS, portanto, não perdem a sua individualidade. Não confundam com individualismo...que é um sentimento egocêntrico e não tem nada a ver com individualidade!

Bem, mas vamos lá. Certo dia vi um pastor relatar o caso de uma mulher que ameaçava o marido, por causa do surf que ele praticava. Ela dizia: Se vc for para o surf eu vou embora ou vou beber todas!...Que tolice! Que falta de  respeito. Sim, falta de respeito à individualidade do marido. Ela já o conheceu praticando surf o que a levou  então a pensar que ele deixaria de praticá-lo???? É um engano gigantesco achar que se vai fazer o cônjuge mudar depois do casamento. Tem gente que se casa pensando desse jeito. Achando que vai fazer a cabeça do cônjuge para largar isso ou aquilo depois que estiverem casados. Lamento informar,mas não é assim que a banda toca.

Portanto, a fase do namoro, é primordial, pra que você conheça a pessoa, ainda que não com tanta intimidade como no casamento, mas esse período é importante para conhecer os gostos da pessoa, perceber se há afinidades, etc. Não adianta só ter atração física, dizer que rolou uma química, ter apreciação pela beleza da pessoa...Isso não é suficiente para viver uma relação saudável. Você precisa conhecê-la  num nível mais profundo, que excede à aparência, observar se há alguma afinidade, convergências, pois se não houver, fica muito difícil construir um relacionamento sadio. Se uma  mulher, por exemplo, não gosta de homem que pratica algum esporte, então pelo amor de Deus, não case com ele !!!Se o homem conhece a moça e ela pratica balé clássico e ele não gosta disso e mesmo assim prefere continuar o relacionamento, pensando que depois de casados,  ela vai por mágica deixar de praticar ou gostar de balé, cuidado!!! Depois não reclame. Se você não aceita a pessoa como ela e, não sabe administrar essas coisas, é melhor se afastar.  Será melhor pra você e para a própria pessoa. Você pode estar evitando uma tragédia futura...Agora se você não gosta muito que essa ou aquela modalidade esportiva ou outra atividade qualquer, MAS, PORÉM, CONTUDO, TODAVIA... sabe respeitar pelo menos o que a pessoa gosta, aí pode-se repensar a questão.

Mas não case e obrigue a sua mulher ou marido a pôr de lado aquilo que é saudável e lhe dá prazer, por conta de um capricho, chatice, implicância, insegurança ou ciúme seus. Se é algo que não compromete a relação, é preciso deixar a pessoa respirar. Muita gente por causa de ciúme doentio, insegurança, acaba tentando controlar a esposa ou o marido e chega a fazer chantagens com os mesmos. Isso não faz parte do amor. Respeite a individualidade dele ou dela.  Tentar tirar a individualidade de alguém é tirar-lhe a própria essência, sua personalidade.Amor implica em respeitar seu cônjuge como indivíduo que é e não tratá-lo como um brinquedinho a sua mercê. Há momentos que vocês estarão juntos, farão atividades em comum, mas haverá outros em que seu cônjuge desejará estar sozinho, jogando um vídeo game, um futebol, correndo, praticando um surf,  balé, fazendo aula de circo...ou outro esporte ou outra atividade que aprecie...Quem ama não tolhe, não desrespeita a liberdade do outro de fazer as coisas que gosta.

ATÉ BENITO DE PAULA, SABE QUE UM HOMEM QUE MALTRATA SUA MULHER A ACABA PERDENDO...


Não precisa ser cristão de carteirinha pra saber disso, não é? Um pouco de inteligência basta. 


https://www.youtube.com/watch?v=qfYTOVXyd8M#t=101


A ARTE IMITANDO A VIDA

"Diz que faz e acontece, que não tem medo de nada, levanta a voz, fala alto, maltrata a mulher amada...Quando ela cisma e vai embora,
a montanha se desmancha, e o mais valente dos homens chora como criança..."

domingo, 26 de outubro de 2014

SOCORRO: MINHA MULHER QUER LEVAR A MINHA SOGRA PRA MORAR COM A GENTE!



O grito de socorro é de um marido cuja esposa disse a ele que iria trazer a mãe pra morar com eles. Segundo o marido, a esposa alegou que a mãe dela reclamava constantemente que os irmãos solteiros estavam brigando pra ver quem mandava mais na casa da mãe, e que a mãe já sem paz por conta de tantos atritos, pensou em alugar uma kitinete. Mas que a esposa dele, com pena da mãe gastar dinheiro alugando um imóvel, tendo a própria casa, estava pensando em trazer a mãe para morar com eles. Ele disse: "Isso é demais pra mim, não dou conta de uma situação dessas. O que eu tenho a ver com isso? Já bastam os meus problemas, as minhas contas... Agora sou eu quem não vou ter paz! E a minha mulher, quando eu disse que não queria, me chamou de egoísta e tem se afastado de mim. Isso está acabando com nosso relacionamento".

É...perfeitamente compreensível a angústia desse marido. E não é porque se trata unicamente da SOGRA. Se fosse, o SOGRO, o cunhado, a cunhada, o primo, a prima, etc....ou qualquer outro estivesse na eminência de ir morar na casa dele, também o pedido de socorro faria jus do  mesmo jeito. E não SE TRATA de egoísmo desse marido. E sim inviabilidade. Egoismo é da esposa que quer jogar tamanho peso nas costas do marido. Ele não tem essa obrigação. O compromisso dele é com ela. É um fardo pesado de mais querer que o marido suporte a sogra dentro de casa.

A vida a dois já é muito delicada, já traz consigo suas próprias dificuldades, agora querer trazer mais um a reboque, é demais. O casal precisa de espaço, de privacidade,  para construir sua própria vida e com parente por perto isso se torna  muito difícil, e em alguns casos, impossível! Não precisa nem estar escrito na Bíblia. Qualquer pessoa madura que tenha um mínimo de bom senso saberá que isso não funciona. Eu mesma já morei com uma tia irmã da minha mãe, que na época tinha uns 4 anos que havia falecido.Eu era órfã de mãe, tinha acabado de sair da adolescência e entrado na fase adulta. Minha tia por compaixão quis me acolher, pois viu o quanto eu estava carente de afeto, mas não foi bom para ela. Embora eu morasse num cômodo à parte  da casa dela, a minha presença ali trazia necessidade de certos ajustes, configurações,que atingiam aquela família de alguma forma. Eu não tinha consciência do quanto minha presença ali afetava a vida deles. Minha tia me tratava bem, mas em certas situações, com um pouco de sensibilidade eu conseguia perceber que estava lhes trazendo incômodo. Eu ainda que muito nova e imatura,  já me sentia incomodada, sabia que ali não era o meu lugar. Eu precisava sair dali e então depois de algum tempo fui definitivamente morar sozinha, ter o meu canto. Eu estava enfadando a minha tia e sua família...

Mas se alguém quer uma base bíblica pra isso, então vamos lá.:"Deixará o homem seu pai e sua mãe e unir-se-a a sua mulher e juntos serão uma só carne". Não está escrito: Levará o homem seu pai e sua mãe, seus irmãos e unir-se a sua  mulher... De jeito nenhum. É necessário deixar pai e mãe...e tudo mais (irmão, irmã, primo, prima, avô, avó, etc...) Você precisa ter isso em mente: você está se casando com uma pessoa. Não deve levar parentela a tiracolo nem se casar com alguém que leva a parentela a tiracolo também. Repito: Você irá casar-se com UMA PESSOA e não com uma legião e vice-versa. E quer outra base bíblica? Então ouça: NÃO pise muito a casa do seu próximo para que ele não enfade de ti. Se pisar muito pode causar um enfado no dono da casa, imagina morar? Morar é pisar na casa do próximo diariamente, seja ele filho,filha, genro, nora...!!!

A verdade é que cada casal precisa do seu espaço e de preferência, dependendo, da mentalidade da parentela, de um ou do outro, bem longe, para evitar maiores desgastes e "invasões". 

Não é à toa que casais que moram no mesmo terreno dos pais ou sogros passam por maus bocados. E pode ser o melhor pai ou a melhor mãe, que não dará certo. CASAL tem que ter seu canto. Tem que deixar pai e mãe também GEOGRAFICAMENTE. Tem que viver a dois. Quando mais que isso, SÃO ou serão APENAS OS FILHOS.

E vc que me lê que é SOGRA, SOGRO, etc...nem pense na possibilidade de ir morar com um filho (a) seu (a), este (a) estando casado (a). Mesmo que o seu filho ou sua filha tenha lhe convidado. Ele ou ela não sabe o que está dizendo. Inclusive aproveite para mostrar sua maturidade e sensatez dizendo que isso não fará bem ao casal. Não queira ser um peso pra eles. Por mais que você possa ser uma pessoa centrada, na sua, que fique bem quietinha no seu canto, praticamente muda, não adianta, ainda sim será uma pessoa, uma presença ali. E presenças pesam. Não tem casamento que consiga sobreviver a isso. Um parente no seio conjugal, faz com se torne uma habitação que contraria tudo o que o casamento significa, tudo o que a Escritura chama de comunhão  entre um homem e uma mulher. E principalmente às SOGRAS digo: Não fique levando problemas seus para seu filho ou filha casado (a). Ele ou ela já  constituiu a própria família e ela é a prioridade pra ele (a). Não seja "MADURO" na idade apenas, SEJA MADURA (o) na mentalidade". Muitas sogras gostam de se fazer de coitadinhas,de dizer que estão sofrendo, enfim, fazer aquele dramalhão todo, a velha chantagem emocional para o filho ou filha que se vê praticamente coagido (a) a socorrê-lo, em coisas, que eles na maioria das vezes poderiam muito bem resolver sozinhos. Você é uma MÃE OU PAI SÁBIO? Então poupe o seu filho ou filha de problemas. Não fique enchendo-lhes a cabeça com más notícias desnecessárias. Ele (a) já tem muito com o que se preocupar. Cultive o bem. Não atrapalhe a vida conjugal do seu filho ou filha.

E você marido ou esposa que está querendo trazer parentes para morar em sua casa, não faça isso! Qualquer insistência nisso é definitivamente um suicídio conjugal, é pular de cabeça num buraco. Isso é um peso que seu cônjuge não pode carregar. Não obrigue isso a ele. Não impute a quem você ama algo que está além das forças dele. Isso é ser egoísta. O seu compromisso quando decidiu casar-se é primordialmente com seu cônjuge!!!  Tenha consciência disso. Não tente ser o  salvador da pátria e resolver os problemas de pai ou  mãe ou parentes seus em detrimento do seu casamento. E você que está pensando em se casar, se você tem vocação pra freira, melhor ficar solteiro pra cuidar da sua parentela e de quem mais quiser. VOCÊ MARIDO, VOCÊ ESPOSA, está casado com seu cônjuge, não com seu pai, sua mãe, ou quem quer que seja. Aos casados cabem agradar ao CÔNJUGE!!! Se ama seu cônjuge, afaste de vez essa possibilidade DE TERCEIROS MORANDO NA CASA DE VOCÊS,  antes que seu casamento naufrague.



quarta-feira, 8 de outubro de 2014

A RECEITA DE CURA DE ISAÍAS!


Isaías 58 nos diz que o que cura é o AMOR.

Não adianta ora, jejuar, se humilhar, odiar com devoção piedosa o inimigo, dedicar-se aos cultos de vigília e combate, ou qualquer outra coisa, pois, sem amor, nada terá proveito; posto que sem amor toda existência se torne doença.

O cenário que Isaías divisava era caótico.

Um povo que vivia cheio de crenças e nenhuma fé.

Além disso, era um povo que se acostumara a usar a crença como macumba para soluções de problemas.

Oravam por contenda e para buscar diante de Deus alguma vantagem sobre o próximo em qualquer coisa ou área da vida.

Por isto, diz o profeta, eles secaram.

Oravam e não eram respondidos.

Jejuavam e apenas emagreciam...

Buscavam vantagens, mas tornavam-se estéreis como um deserto.

Suas obras viravam ruínas em seus próprios dias...

Enquanto isto, eles, em sua insegurança, buscavam exercer controle e poder sobre os outros.

Por isto, prendiam, escravizavam, amarravam ao próximo ou o algemavam com cadeias de dependência ou de manipulação.

Então, vem Deus e diz:

Se vocês pararem de orar a oração do ódio, da contenda e da disputa, e se ao invés disso dedicarem-se a soltar as ligaduras da impiedade e a quebrarem toda dependência que vocês criaram ou que venham a encontrar posta sobre o próximo; e se vocês ao invés de se vingarem, tratarem o inimigo com bondade; e se abrirem a própria alma confessando fraqueza com os fracos, e se não fugirem do encontro com o próximo, o semelhante — então, Eu digo: Eu estarei com vocês de tal modo que serei glória nas costas de vocês e luz adiante de vocês; e serei Aquele que nem mesmo os deixará pedir ou clamar, pois, antes que o façam Eu já terei respondido; e antes que gritem..., Eu mesmo me adiantarei e direi: Ei! Eu estou aqui!

E mais:

Deus diz: Quando vocês começarem a curar o próximo e as relações de vocês com a vida, Eu mesmo curarei as doenças de vocês.

Desse modo, diz o Senhor:

Quem quer ser curado, ame; pois, quem cuidar das coisas do amor, esquecendo-se de si mesmo, esse será curado no caminho, enquanto liberta e cura outros.

Esta é a verdade do Evangelho de Deus para mim e para você!



Nele, que nos cura pelo exercício do amor,


CAIO  FÁBIO
www.caiofabio.net

terça-feira, 7 de outubro de 2014

SERÁ QUE OS FILHOS SERÃO CRISTÃOS COMO OS PAIS ?




A primeira resposta honesta e sincera à pergunta que encabeça o título desse post é: NÃO SEI. Afinal,  o futuro pertence somente a Deus. Não compete a nós sabê-lo. Não temos esse poder. Segundo, entenda bem, que  quando falo de ser cristão, não falo de conhecer a Bíblia de cor e salteado, pregar o texto contido nela, ser douto em teologia  ou frequentar um templo religioso. Falo de vivenciar o amor de Cristo como prática nas relações interpessoais. Sendo assim, os filhos serão cristãos se nós pais formos capazes de dar a eles o testemunho do bem que nós experimentam sendo cristãos.  É bem provável que eles também queiram ser...

Às vezes nós queremos que os nossos filhos sejam cristãos, mas a gente não demonstra em nada o benefício que o cristianismo trouxe a nós. Nós é que geramos muitas vezes o ateísmo em nossos filhos.  É impressionante como é fácil a gente cair no cristianismo pagão, ou seja,  quando temos todos os ritos, participamos de tudo, andamos com a Bíblia debaixo do braço, escrevemos frases bíblicas ... Até aí  só aparência, só exterior. Mas a gente não permite que a Palavra de Jesus modifique o nosso jeito de ser quando não permitimos que o poder da palavra de Jesus, entre no nosso sangue, no âmago do nosso ser, nas nossas entranhas e modifique o nosso jeito de pensar, o nosso jeito de agir... Às vezes falta a nós pais, coerência, entre o falar e o agir.  Como dizia o educador Paulo Freire, "é preciso diminuir a distância entre o que se diz e o que se faz, de tal maneira que num dado momento, a tua fala, seja a tua prática."

Não adianta mandar o filho pra igreja achando que lá o pastor vai fazer alguma coisa, mandar pro padre achando que ele também vai dar um jeito ou que a irmã fulana de tal vai ajudar o seu filho...  É verdade que eles ATÉ PODEM (não necessariamente, e inclusive podem até gerar um efeito inverso) contribuir de alguma forma, mas ESTA NÃO É A RESPONSABILIDADE DELES.

A primeira responsabilidade de educar os filhos com princípios cristãos cabe aos pais. É dentro de casa que a gente faz o "culto" acontecer de verdade... Não é blá, blá, blá, é AÇÃO que se vê no chão da vida. Repito: não adianta decorar a Bíblia, o livro inteiro que seja, ditar versículos, frases de efeito, fazer discursos floreados, nada disso. A criança só é convencida pelo bem praticado, vivenciado. E se o que ela vê diante dos olhos é ruim, quererá se afastar,  tenha  o nome que tiver, inclusive o de cristianismo. É bem provável que até diga: "  Isso é que é ser cristão? Eu estou fora. Não quero isso pra minha vida." Ela precisa ver o EVANGELHO que se traduz numa realidade de "REL- AÇÃO" de amor genuíno, que reflita de fato a pessoa de Cristo no trato para com o outro, na forma de encarar as situações da vida, sejam elas boas ou ruins. JESUS é a PALAVRA VIVA que deve se refletir na relação de qualquer casal que professa crer Nele e por conseguinte isto reverberará na vida dos filhos. 

sexta-feira, 19 de setembro de 2014

COMPORTAMENTOS INFIÉIS





Você quer um casamento duradouro e feliz? Então tenha cuidado com comportamentos infiéis.  Além de uma traição formal, existem outras maneiras de infidelidade ao cônjuge.  Muitos casamentos têm sido destruídos por conta de uma ou mais delas. Confira abaixo se você anda cometendo algumas delas e se estiver, a hora de mudar é AGORA.O texto foi extraído de um artigo do terapeuta de casais e família, Gary Lundberg. 

  • 1. Flertar

    Ter um pouco de diversão lúdica no escritório com um colega de trabalho não pode ser tão grave, você racionaliza. Afinal de contas, paquerar é divertido. Evite-o como uma praga. É perigoso. Se alguém flertar com você, ignore. O que se enquadra na categoria de flertar? Aqui está uma explicação do que é flertar. "[O colega] geralmente é envolvente ao falar e se comporta de uma maneira que sugere uma intimidade levemente maior do que a relação real entre as partes justificaria, ainda que dentro das regras de etiqueta social, que geralmente desaprova uma expressão direta do interesse sexual. Isto pode ser feito através de inserir à comunicação um senso de diversão ou ironia... A linguagem corporal pode incluir mexer no cabelo, contato visual, tocar rapidamente, etc. "
    As pessoas casadas nunca devem se envolver nesse tipo de comportamento com alguém que não seja seu cônjuge. É uma forma real de infidelidade que não leva a nada de bom. A pessoa com quem você está flertando pode entender como um convite e tentar um relacionamento que você nunca teve a intenção de iniciar.
  • 2. Confidências com o sexo oposto

    Quando você confidencia seus problemas a alguém do sexo oposto, está se colocando em uma posição vulnerável. Pode parecer inofensivo. Afinal, você só precisava de um ombro para chorar. Se você tem um problema, fale sobre isso com o seu cônjuge. Esse é o seu melhor ombro para chorar. Sempre. Se isso não for possível para você, tente um parente, sacerdote, ou um terapeuta de confiança. Não alguém que possa considerar isso um convite para a intimidade. Mesmo se não começa dessa forma, muitas vezes termina assim. É uma forma de infidelidade.
  • 3. Passar tempo a sós com alguém

    O que parece ser um almoço inocente com alguém do sexo oposto ou um bate-papo na casa desse alguém sem o seu cônjuge está definitivamente na categoria de comportamento infiel. Você ou a outra pessoa pode dizer: "Ei, nós dois somos adultos. Nada vai acontecer." Bem, as coisas acontecem. Não é apropriado. Vá para casa e passe esse tempo com seu cônjuge.
  • 4. Falar negativamente sobre o seu companheiro

    Quando você é um amigo verdadeiro de alguém, você nunca diz coisas ruins sobre ele para os outros. Seu companheiro é seu melhor amigo e é a última pessoa sobre quem você deve falar negativamente. Se você tem um problema com o seu amado/amada, converse sobre isso com ele ou ela. Deixe suas conversas com os outros se concentrar nas coisas boas sobre o seu cônjuge. Isso é ser fiel.
  • 5. Conversa na Internet com alguém do sexo oposto

    Se você acha que isso é inofensivo, pense novamente. Pode começar assim, mas definitivamente não vai acabar assim. Alguns se envolveram através de uma inocente conversa com um ex-namorado ou namorada do colegial ou da época da faculdade, ou até mesmo um estranho. Uma coisa pode levar a outra e antes que você perceba, seu casamento está em perigo. Não faça isso. Só vai terminar em tristeza e desgosto para sua família.
  • 6. Vestir-se para atrair a atenção de alguém que não seja seu cônjuge

    Se você se veste para parecer bem aos olhos de outra pessoa, você precisa reavaliar seus motivos. Tentar atrair alguém vestindo uma roupa sexy é mais uma forma de saltar para as águas da infidelidade.
  • 7. Escrever bilhetes íntimos ou cartas pessoais a outra pessoa

    Se você estiver escrevendo uma carta de condolências ou parabéns, ou outros bons votos, que sejam de você e seu cônjuge. Então não haverá nenhum mal-entendido sobre suas intenções.
  • 8. Não ser para seu cônjuge um parceiro sexual bem disposto

    Ser fiel ao seu cônjuge significa dar-se mais para que ele ou ela possa desfrutar o lado íntimo do casamento. Ao negar a intimidade sexual ao seu cônjuge, você não está fazendo a sua parte em manter seu casamento forte e gratificante. É uma atitude que cria tristeza e até mesmo suspeita. Ser um cônjuge fiel significa fazer sua parte para tornar seu casamento um belo relacionamento em todos os aspectos.
  • 9. Colocar seus pais à frente de seu cônjuge

    Seu cônjuge deve ser sempre o número um em sua vida. Se algo maravilhoso acontece com você, como uma promoção, uma confirmação de uma gravidez, ou de qualquer outra boa notícia, você pode ser tentado a ligar imediatamente para um de seus pais para compartilhar a alegria. Resista. Deixe que seu cônjuge seja o primeiro a conhecer a sua boa notícia. Em seguida, compartilhe-a com as outras pessoas.
  • 10. Colocar seus filhos à frente de seu cônjuge

    Crianças são importantes. São sem dúvida pessoas muito importantes em sua vida, mas não mais que o seu cônjuge. Se você chuta o seu cônjuge para fora do topo da sua lista de prioridades você não está mostrando fidelidade total a ele ou ela. Seu companheiro deve vir em primeiro lugar. E isso não apenas dá liga ao seu casamento e o torna mais forte, como dá a seus filhos uma segurança que eles nunca teriam se o seu cônjuge não for prioridade.
    Pondere sobre esses pontos e certifique-se que você está sendo 100 por cento fiel ao seu cônjuge. Ao fazer isso você vai criar um casamento verdadeiramente feliz e gratificante.

sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Construindo a compatibilidade


Recentemente estive lendo um artigo sobre compatibilidade de Rob Jenkins, autor do livro Family Man (Homem de Família) e fiquei refletindo acerca do assunto e depois resolvi vir aqui escrever, com o intuito de ajudar os casais.

Comecemos pensando num transplante de medula óssea. Para que o mesmo seja possível, é necessário que haja compatibilidade entre as medulas do doador e do receptor. Não havendo se torna impossível o procedimento. E quando se trata de um casamento, é necessário que os cônjuge sejam compatíveis ? A resposta é SIM.  Não como uma médula exatamente, é claro. Porque as pessoas mudam. Quando jovem alguém por exemplo, pode gostar de acampar, depois já mais velho, deixar de gostar. O que uma pessoa quer aos 20 pode não ser mais o que quer aos 40. Você ainda pode ser um sedentário na mocidade e virar praticamente um atleta na maturidade. Interesses podem mudar. Seu cônjuge pode mudar ou você pode  mudar. E ao longo do casamento, os casais precisam se comunicar constantemente sobre essas questões.

Surgindo novos interesse no parceiro, é necessário que o cônjuge tente acompanhá-lo de alguma forma. OU seja, encontrar alguma maneira de apoiar e de esforçar-se para desenvolver um interesse nas coisas pelas quais o outro se interessa. Isso seria o mesmo que reencontrá-lo no meio da caminhada.

Sendo assim não estamos tratando a COMPATIBILIDADE como algo que se tem ou não tem, como algo referente estritamente à visão de mundo e perspectivas em comum, mas algo que pode ser oferecido ao outro a partir de um esforço pessoal, algo que pode ser construído. Essa é a abordagem que o autor traz ao tratar da compatibilidade: que a mesma se torna uma escolha consciente ao longo do casamento. Sendo assim,  devemos compreender que quando realmente colocamos nosso cônjuge em primeiro lugar na nossa vida, então devemos ser capazes de manter um nível de compatibilidade que nos permite viver em relativa paz e harmonia. 

O amor é assim: busca os interesses do outro. E isso muitas vezes requer esforço de cada um dentro do relacionamento. Portanto, meu amigo, minha amiga, construa. Edifique seu casamento. Escolha ser compatível.